Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Comer como um 'climatariano' ajuda a salvar o planeta

Mäyjo, 23.12.19

image.aspx.jpeg

 

Em 2015, o The New York Times destacou o termo entre as ‘novas palavras sobre alimentação’ (apesar de ela ter sido usada pela primeira vez em 2009). O jornal destaca que a dieta em questão tem como principal objetivo reverter as mudanças climáticas.

 

Em 2015, o New York Times publicou uma lista de novas palavras sobre comida. Entre elas encontrava-se a palavra “climatariano”, para descrever adeptos de dietas que podem ajudar a reverter os efeitos das mudanças climáticas, apesar de ela ter sido usada pela primeira vez em 2009.

 

Essa dieta inclui consumir comida produzida localmente (o que em 2012 se chamava de locavorismo), consumo de proteínas com menor emissão de efeitos de gases de estufa na produção (Dar preferência para consumo de aves e carne de porco, que têm menos impacto ambiental), aproveitamento integral dos alimentos (caroços, cascas, etc.) e  evitar o desperdício (o que as nossas avós chamavam de “não desperdiçar comida porque há criança no mundo que passam fome”).

 

Estas medidas têm o objetivo de diminuir a emissão de gás carbono e, assim, contribuir para o meio ambiente. Nesse sentido, um climatariano escolhe aquilo que, dentro das suas possibilidades, possui menos impacto ambiental: comer frutas da estação, comprar de pequenos produtores ou criadores, evitando ao máximo alimentar a ‘grande indústria’ da carne.

 

Assim, se quisermos ajudar a salvar o planeta através da alimentação, não precisamos de comer só fruta, legumes e leguminosas. O que não podemos fazer é abusar de alimentos com um elevado impacto ambiental. Ter uma dieta amiga do ambiente implica reduzir o consumo de carne e peixe, mas também de alimentos como a quinoa, o abacate e a chia, que, embora sejam saudáveis, podem ter efeitos ambientais desastrosos. Se tiver em conta a pegada ambiental dos alimentos e se evitar o desperdício, estará a ser um climatariano.

 

Ser um climatariano consiste em fazer uma “dieta baseada nos princípios da sustentabilidade do planeta" e para isso não é preciso necessariamente deixar de comer carne.

 

O jornal El País destaca que a chave de tudo está em entender o processo de produção daquilo que comemos. E é isso o que os climatarianos procuram: conhecer a origem e os impactos ambientais dos alimentos para tomar decisões mais responsáveis ambientalmente.

 

Entender o todo é essencial. Dados da ONU mostram que aproximadamente 75% de toda a água doce do planeta é consumida na pecuária e na agricultura. Então não adianta de muito fechar a torneira enquanto escovamos os dentes, por exemplo, se não repensarmos o nosso consumo de carne.

 

Se a filosofia ‘climatariana’ ainda não faz sentido para ti, o gráfico abaixo, com o nível de impacto de alguns alimentos, pode servir de norte para repensar as preferências alimentares:

 

Imagem1.png

 

É hoje: Greve Climática Global - 27 de setembro

Mäyjo, 27.09.19

AUTOCOLAASMNUHUI.jpg

 

«Somos vários movimentos, associações, e colectivos que têm estado empenhados na luta existencial pela justiça climática, e tal como ocorreu com as passadas greves climáticas estudantis internacionais de 15 de março e 24 de maio, consideramos essencial que Portugal mantenha uma participação activa neste movimento mundial. Segundo nos informa a melhor Ciência, a viabilidade material de um futuro com estabilidade climática não poderá ser alcançada sem uma modificação fundamental do nosso sistema produtivo, energético, de transportes, alimentação, florestas, entre outros.

Em setembro, vamos organizar uma semana de mobilizações que começa no dia 20, e acaba com uma Greve Climática no dia 27 de Setembro.»

 

 

 

Outras cidades e  locais:

Portugal:    https://salvaroclima.pt/

Internacionalhttps://pt.globalclimatestrike.net/ 

 

 

Precisamos desistir das tendências para levar a sustentabilidade a sério?

Mäyjo, 23.09.19

Tendências e sustentabilidade são frequentemente consideradas incompatíveis. A moda ética foi historicamente acusada de ser muito cara e de design inferior; no entanto, agora existe um exército de marcas lutando para mudar essa perceção ultrapassada. 

A reforma chama-se a melhor opção depois de ficar nua, e Emma Watson é uma das mulheres mais elegantes do mundo, que usa apenas marcas com uma declaração de missão ética. Na semana da London Fashion Week, deste ano, o British Fashion Council realizou uma exposição de moda positiva, apresentando novas marcas e práticas. 

recycle-clothes-300x170.png

Considerando tudo isso, precisamos desistir de tendências para levar a sustentabilidade a sério?

Não há uma resposta simples. A moda ética é complexa - uma iniciativa como o esquema de reciclagem da H&M é ótima, mas isso por si só não vai resolver nada da noite para o dia. Pensar mais sobre o nosso consumo e tomar medidas (grandes ou pequenas) fará uma diferença real.

"Sem dúvida, é preciso mudar de mentalidade", afirma Ella Grace Denton e Jemma Finch, a dupla por trás da iniciativa de troca de roupas Stories Behind Things .

"Nós pensamos na moda como algo que amamos e também durará - algo que é atemporal e não é jogado fora depois de usar apenas uma vez", continuam. "Nosso foco deve estar no estilo e na expressão individual, em vez de imitar as tendências. O estilo é baseado na nossa personalidade. Ao comprar tendências, estamos simplesmente a comprar o modelo de negócios de uma indústria. Ao consumir uma moda que seja significativa e feita de maneira a alinhar com as nossas crenças pessoais, o que vestimos se torna uma verdadeira expressão do eu".

Os designers escandinavos são líderes na esfera da sustentabilidade e Rebecca Thandi Norman, editora da Scandinavia Standard , diz que esta é uma resposta aos pedidos dos consumidores nesta região: "As pessoas aqui preocupam-se com a sustentabilidade em todos os aspetos, de alimentos a móveis. Como a moda é uma parte importante da cultura do consumidor, é necessário levar isso em consideração ao discutir a sustentabilidade. Eu também acho que o design tem tudo a ver com solução de problemas, e os escandinavos são muito bons em design nessa perspetiva."

"Se o desperdício têxtil e o desperdício de água e práticas antiéticas de trabalho (e muitas outras coisas) na indústria da moda são o problema, como podemos resolvê-lo?" continua ela. "Do ponto de vista do mercado, os consumidores na Escandinávia estão acostumados a comprar algumas coisas duradouras, em oposição a muitas coisas descartáveis​​ (o que não significa que a moda rápida não seja uma grande indústria aqui – é). Eles também estão dispostos a pagar pela qualidade. Essas são as condições necessárias para ter sucesso como marca de moda sustentável, para que realmente se possa prosperar aqui."

Em Portugal, precisamos começar a comportar-nos mais como os consumidores escandinavos, realmente pensando no que estamos a comprar, investindo em peças de qualidade e questionando o que estamos a vestir. Questionando coisas como a tendência de vestuário e acessórios em plástico PVC. A poluição por plásticos é uma questão internacional urgente, com um esforço para limitar o uso de plásticos descartáveis. Ao mesmo tempo, no entanto, no ano passado surgiram tendências importantes em plástico como bolsas, sobretudos revestidos de plástico de Calvin Klein e os chapéus de plástico da Chanel.

Trisha Brown, ativista do Greenpeace Oceans, disse a Who What Wear que a adoção do PVC pela moda é bastante surpreendente: "De todos os diferentes tipos de plástico no mundo, o PVC é o mais prejudicial ao meio ambiente. As instalações de produção de PVC geram resíduos clorados perigosos, alguns dos quais inevitavelmente libertados no meio ambiente. Além disso, o PVC geralmente contém aditivos tóxicos, como os ftalatos, que são tóxicos para a vida selvagem e seres humanos". A estilista Rebecca Corbin Murray criticou a indústria por glamourizar o plástico virgem, postando uma foto das bolsas de plástico da Céline e da Burberry na sua página do Instagram, com a legenda: "A dececionante canção de cisne de dois dos designers mais queridos, inovadores e icônicos de nossa geração."

39578061_851908125197224_1024529019275575296_n.jpg

"Não acho que seja possível estar realmente na moda e também ser sustentável", argumenta Norman." Uma grande parte das tendências a seguir é o consumismo constante, que é antitético ao uso sustentável. É claro que existem maneiras de ser criativo e mudar continuamente o que você já tem para acompanhar as tendências. Acho que é por isso que as pessoas que tentam se vestir de maneira mais sustentável desenvolvem um estilo individual, ou um tipo de uniforme, que seja confortável de um ano para o outro. É claro, como diz o ditado: 'Tudo o que é velho se torna novo novamente' na moda, portanto, a maneira mais sustentável de se vestir seguindo as tendências é comprar em segunda mão ou vintage ".

Isabel, ex-editora de redes sociais da Who What Wear, relembra que tendências e sustentabilidade não são incompatíveis. "O maior mito é que fazer compras de forma sustentável significa comprar apenas coisas caras que são 'fabricadas de maneira sustentável'", afirma. "Embora existam toneladas de marcas incríveis que oferecem peças bonitas com preços mais altos (mas comércio justo), fazer compras de forma sustentável também significa mais duas opções. Primeiro, pense duas vezes antes de comprar algo - optar por não comprar algo é fazer compras de maneira sustentável. Quando você decide comprar qualquer coisa, deve cuidar daquilo que comprou: consertar e amar. E dois, tente evitar comprar constantemente coisas novas".

Hoje em dia existem muitos locais/sites para pesquisar e comprando com um ano atrás. Uma grande mudança nos últimos 12 meses foi o aumento do aluguer de roupas - a HURR Collective oferece aos millennials a mesma flexibilidade e compromisso vistos em empresas como Airbnb, Uber e Spotify, mas por guarda-roupas. "Antes de deixar o mundo corporativo, assisti ao aumento maciço da economia de partilha que afetou todas as áreas do dia-a-dia. Como uma das indústrias mais poluentes do mundo, a moda era a próxima grande indústria pronta para avançar", explica Victoria Prew, cofundadora e CEO da HURR Collective. "Estamos construindo o Airbnb da moda para permitir que as mulheres ganhem dinheiro com as peças que já possuem e também aluguem itens deculto (design) por uma fração do preço de compra. Prolongar a vida útil das roupas é uma das melhores coisas que podemos fazer para reduzir o impacto ambiental do nosso guarda-roupa".

 

Mobilizações pelo clima em setembro

Mäyjo, 20.09.19

strike-logo-PT-color-1-787x1024.png

«Em setembro de 2019, milhões de pessoas sairão de seus trabalhos e lares para ir às ruas, lado a lado com jovens em mobilizações pelo clima, para exigir o fim da era dos combustíveis fósseis.


Nossa casa está em chamas – precisamos agir com urgência. Exigimos justiça climática para todos.

JUNTE-SE ÀS MOBILIZAÇÕES PELO CLIMA EM SETEMBRO

Junte-se aos jovens que vão estar nas ruas durante a Mobilização Global pelo Clima, numa semana de ações que vão exigir o fim da era dos combustíveis fósseis e justiça climática para todos.»

Fonte e mais informação em:  https://pt.globalclimatestrike.net/ 

Imagem1.png
Encontre um evento perto de si em https://secure.avaaz.org/po/event/global_climate_strike/

«No dia 20 de setembro, Greta Thunberg liderará a maior Mobilização Global pelo Clima de todos os tempos, dias antes de uma crucial Cúpula Climática da ONU em Nova York.

E onde quer que estejamos, o que quer que estejamos fazendo, todos podemos participar deste momento histórico para o nosso planeta.

Não importa se você está sozinho, com colegas de trabalho ou em uma grande manifestação nas ruas - use a ferramenta abaixo para carregar uma foto sua  com um cartaz apoiando a mobilização e depois convide seus amigos e familiares para fazerem o mesmo!

Se você também enviar sua foto para a mídia social, use as seguintes hashtags: #ClimateStrike #ClimateHope»


Imagem2.png

Fonte e site pata partilhar a foto da sua luta em: https://secure.avaaz.org/campaign/po/global_climate_strike_photos_sptl11/