Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Comer como um 'climatariano' ajuda a salvar o planeta

por Mäyjo, em 23.12.19

image.aspx.jpeg

 

Em 2015, o The New York Times destacou o termo entre as ‘novas palavras sobre alimentação’ (apesar de ela ter sido usada pela primeira vez em 2009). O jornal destaca que a dieta em questão tem como principal objetivo reverter as mudanças climáticas.

 

Em 2015, o New York Times publicou uma lista de novas palavras sobre comida. Entre elas encontrava-se a palavra “climatariano”, para descrever adeptos de dietas que podem ajudar a reverter os efeitos das mudanças climáticas, apesar de ela ter sido usada pela primeira vez em 2009.

 

Essa dieta inclui consumir comida produzida localmente (o que em 2012 se chamava de locavorismo), consumo de proteínas com menor emissão de efeitos de gases de estufa na produção (Dar preferência para consumo de aves e carne de porco, que têm menos impacto ambiental), aproveitamento integral dos alimentos (caroços, cascas, etc.) e  evitar o desperdício (o que as nossas avós chamavam de “não desperdiçar comida porque há criança no mundo que passam fome”).

 

Estas medidas têm o objetivo de diminuir a emissão de gás carbono e, assim, contribuir para o meio ambiente. Nesse sentido, um climatariano escolhe aquilo que, dentro das suas possibilidades, possui menos impacto ambiental: comer frutas da estação, comprar de pequenos produtores ou criadores, evitando ao máximo alimentar a ‘grande indústria’ da carne.

 

Assim, se quisermos ajudar a salvar o planeta através da alimentação, não precisamos de comer só fruta, legumes e leguminosas. O que não podemos fazer é abusar de alimentos com um elevado impacto ambiental. Ter uma dieta amiga do ambiente implica reduzir o consumo de carne e peixe, mas também de alimentos como a quinoa, o abacate e a chia, que, embora sejam saudáveis, podem ter efeitos ambientais desastrosos. Se tiver em conta a pegada ambiental dos alimentos e se evitar o desperdício, estará a ser um climatariano.

 

Ser um climatariano consiste em fazer uma “dieta baseada nos princípios da sustentabilidade do planeta" e para isso não é preciso necessariamente deixar de comer carne.

 

O jornal El País destaca que a chave de tudo está em entender o processo de produção daquilo que comemos. E é isso o que os climatarianos procuram: conhecer a origem e os impactos ambientais dos alimentos para tomar decisões mais responsáveis ambientalmente.

 

Entender o todo é essencial. Dados da ONU mostram que aproximadamente 75% de toda a água doce do planeta é consumida na pecuária e na agricultura. Então não adianta de muito fechar a torneira enquanto escovamos os dentes, por exemplo, se não repensarmos o nosso consumo de carne.

 

Se a filosofia ‘climatariana’ ainda não faz sentido para ti, o gráfico abaixo, com o nível de impacto de alguns alimentos, pode servir de norte para repensar as preferências alimentares:

 

Imagem1.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:31

É hoje: Greve Climática Global - 27 de setembro

por Mäyjo, em 27.09.19

AUTOCOLAASMNUHUI.jpg

 

«Somos vários movimentos, associações, e colectivos que têm estado empenhados na luta existencial pela justiça climática, e tal como ocorreu com as passadas greves climáticas estudantis internacionais de 15 de março e 24 de maio, consideramos essencial que Portugal mantenha uma participação activa neste movimento mundial. Segundo nos informa a melhor Ciência, a viabilidade material de um futuro com estabilidade climática não poderá ser alcançada sem uma modificação fundamental do nosso sistema produtivo, energético, de transportes, alimentação, florestas, entre outros.

Em setembro, vamos organizar uma semana de mobilizações que começa no dia 20, e acaba com uma Greve Climática no dia 27 de Setembro.»

 

Fonte: Salvar o Clima

 

 

Outras cidades e  locais:

Portugal:    https://salvaroclima.pt/

Internacionalhttps://pt.globalclimatestrike.net/ 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:42

Precisamos desistir das tendências para levar a sustentabilidade a sério?

por Mäyjo, em 23.09.19

Tendências e sustentabilidade são frequentemente consideradas incompatíveis. A moda ética foi historicamente acusada de ser muito cara e de design inferior; no entanto, agora existe um exército de marcas lutando para mudar essa perceção ultrapassada. 

A reforma chama-se a melhor opção depois de ficar nua, e Emma Watson é uma das mulheres mais elegantes do mundo, que usa apenas marcas com uma declaração de missão ética. Na semana da London Fashion Week, deste ano, o British Fashion Council realizou uma exposição de moda positiva, apresentando novas marcas e práticas. 

recycle-clothes-300x170.png

Considerando tudo isso, precisamos desistir de tendências para levar a sustentabilidade a sério?

Não há uma resposta simples. A moda ética é complexa - uma iniciativa como o esquema de reciclagem da H&M é ótima, mas isso por si só não vai resolver nada da noite para o dia. Pensar mais sobre o nosso consumo e tomar medidas (grandes ou pequenas) fará uma diferença real.

"Sem dúvida, é preciso mudar de mentalidade", afirma Ella Grace Denton e Jemma Finch, a dupla por trás da iniciativa de troca de roupas Stories Behind Things .

"Nós pensamos na moda como algo que amamos e também durará - algo que é atemporal e não é jogado fora depois de usar apenas uma vez", continuam. "Nosso foco deve estar no estilo e na expressão individual, em vez de imitar as tendências. O estilo é baseado na nossa personalidade. Ao comprar tendências, estamos simplesmente a comprar o modelo de negócios de uma indústria. Ao consumir uma moda que seja significativa e feita de maneira a alinhar com as nossas crenças pessoais, o que vestimos se torna uma verdadeira expressão do eu".

Os designers escandinavos são líderes na esfera da sustentabilidade e Rebecca Thandi Norman, editora da Scandinavia Standard , diz que esta é uma resposta aos pedidos dos consumidores nesta região: "As pessoas aqui preocupam-se com a sustentabilidade em todos os aspetos, de alimentos a móveis. Como a moda é uma parte importante da cultura do consumidor, é necessário levar isso em consideração ao discutir a sustentabilidade. Eu também acho que o design tem tudo a ver com solução de problemas, e os escandinavos são muito bons em design nessa perspetiva."

"Se o desperdício têxtil e o desperdício de água e práticas antiéticas de trabalho (e muitas outras coisas) na indústria da moda são o problema, como podemos resolvê-lo?" continua ela. "Do ponto de vista do mercado, os consumidores na Escandinávia estão acostumados a comprar algumas coisas duradouras, em oposição a muitas coisas descartáveis​​ (o que não significa que a moda rápida não seja uma grande indústria aqui – é). Eles também estão dispostos a pagar pela qualidade. Essas são as condições necessárias para ter sucesso como marca de moda sustentável, para que realmente se possa prosperar aqui."

Em Portugal, precisamos começar a comportar-nos mais como os consumidores escandinavos, realmente pensando no que estamos a comprar, investindo em peças de qualidade e questionando o que estamos a vestir. Questionando coisas como a tendência de vestuário e acessórios em plástico PVC. A poluição por plásticos é uma questão internacional urgente, com um esforço para limitar o uso de plásticos descartáveis. Ao mesmo tempo, no entanto, no ano passado surgiram tendências importantes em plástico como bolsas, sobretudos revestidos de plástico de Calvin Klein e os chapéus de plástico da Chanel.

Trisha Brown, ativista do Greenpeace Oceans, disse a Who What Wear que a adoção do PVC pela moda é bastante surpreendente: "De todos os diferentes tipos de plástico no mundo, o PVC é o mais prejudicial ao meio ambiente. As instalações de produção de PVC geram resíduos clorados perigosos, alguns dos quais inevitavelmente libertados no meio ambiente. Além disso, o PVC geralmente contém aditivos tóxicos, como os ftalatos, que são tóxicos para a vida selvagem e seres humanos". A estilista Rebecca Corbin Murray criticou a indústria por glamourizar o plástico virgem, postando uma foto das bolsas de plástico da Céline e da Burberry na sua página do Instagram, com a legenda: "A dececionante canção de cisne de dois dos designers mais queridos, inovadores e icônicos de nossa geração."

39578061_851908125197224_1024529019275575296_n.jpg

"Não acho que seja possível estar realmente na moda e também ser sustentável", argumenta Norman." Uma grande parte das tendências a seguir é o consumismo constante, que é antitético ao uso sustentável. É claro que existem maneiras de ser criativo e mudar continuamente o que você já tem para acompanhar as tendências. Acho que é por isso que as pessoas que tentam se vestir de maneira mais sustentável desenvolvem um estilo individual, ou um tipo de uniforme, que seja confortável de um ano para o outro. É claro, como diz o ditado: 'Tudo o que é velho se torna novo novamente' na moda, portanto, a maneira mais sustentável de se vestir seguindo as tendências é comprar em segunda mão ou vintage ".

Isabel, ex-editora de redes sociais da Who What Wear, relembra que tendências e sustentabilidade não são incompatíveis. "O maior mito é que fazer compras de forma sustentável significa comprar apenas coisas caras que são 'fabricadas de maneira sustentável'", afirma. "Embora existam toneladas de marcas incríveis que oferecem peças bonitas com preços mais altos (mas comércio justo), fazer compras de forma sustentável também significa mais duas opções. Primeiro, pense duas vezes antes de comprar algo - optar por não comprar algo é fazer compras de maneira sustentável. Quando você decide comprar qualquer coisa, deve cuidar daquilo que comprou: consertar e amar. E dois, tente evitar comprar constantemente coisas novas".

Hoje em dia existem muitos locais/sites para pesquisar e comprando com um ano atrás. Uma grande mudança nos últimos 12 meses foi o aumento do aluguer de roupas - a HURR Collective oferece aos millennials a mesma flexibilidade e compromisso vistos em empresas como Airbnb, Uber e Spotify, mas por guarda-roupas. "Antes de deixar o mundo corporativo, assisti ao aumento maciço da economia de partilha que afetou todas as áreas do dia-a-dia. Como uma das indústrias mais poluentes do mundo, a moda era a próxima grande indústria pronta para avançar", explica Victoria Prew, cofundadora e CEO da HURR Collective. "Estamos construindo o Airbnb da moda para permitir que as mulheres ganhem dinheiro com as peças que já possuem e também aluguem itens deculto (design) por uma fração do preço de compra. Prolongar a vida útil das roupas é uma das melhores coisas que podemos fazer para reduzir o impacto ambiental do nosso guarda-roupa".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:14

Mobilizações pelo clima em setembro

por Mäyjo, em 20.09.19

strike-logo-PT-color-1-787x1024.png

«Em setembro de 2019, milhões de pessoas sairão de seus trabalhos e lares para ir às ruas, lado a lado com jovens em mobilizações pelo clima, para exigir o fim da era dos combustíveis fósseis.


Nossa casa está em chamas – precisamos agir com urgência. Exigimos justiça climática para todos.

JUNTE-SE ÀS MOBILIZAÇÕES PELO CLIMA EM SETEMBRO

Junte-se aos jovens que vão estar nas ruas durante a Mobilização Global pelo Clima, numa semana de ações que vão exigir o fim da era dos combustíveis fósseis e justiça climática para todos.»

Fonte e mais informação em:  https://pt.globalclimatestrike.net/ 

Imagem1.png
Encontre um evento perto de si em https://secure.avaaz.org/po/event/global_climate_strike/

«No dia 20 de setembro, Greta Thunberg liderará a maior Mobilização Global pelo Clima de todos os tempos, dias antes de uma crucial Cúpula Climática da ONU em Nova York.

E onde quer que estejamos, o que quer que estejamos fazendo, todos podemos participar deste momento histórico para o nosso planeta.

Não importa se você está sozinho, com colegas de trabalho ou em uma grande manifestação nas ruas - use a ferramenta abaixo para carregar uma foto sua  com um cartaz apoiando a mobilização e depois convide seus amigos e familiares para fazerem o mesmo!

Se você também enviar sua foto para a mídia social, use as seguintes hashtags: #ClimateStrike #ClimateHope»


Imagem2.png

Fonte e site pata partilhar a foto da sua luta em: https://secure.avaaz.org/campaign/po/global_climate_strike_photos_sptl11/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:55

A moda e a ecologia: novas abordagens das marcas

por Mäyjo, em 08.09.19

A Zara, à semelhança de outras marcas, como a C&A,por exemplo, tem já uma estratégia de cariz ambiental, onde procuram apresentar uma maior preocupação com as diferentes áreas do ambiente, nomeadamente à água.

Assim, o novo editorial da Zara apresenta-se com essa preocupação, referindo que o projeto "Care for Water”é o começo de uma ação/projeto de apoio à parceria com Water.org, para criar um impacto positivo na água, em comunidades de cultivam algodão ecologicamente, o chamado algodão orgânico.

Imagem1.pngFonte: Zara

 

Menciona que todas as peças de vestuário foram produzidas tendo em atenção uma correta gestão dos recursos hídricos, através do uso de materiais e tecnologias que ajudam a reduzir o consumo de água e a preservar os recursos de água doce.

 

Imagem2.pngFonte: Zara

 

Fundada por Gary White e Matt Damon, a Water.org é uma organização global sem fins lucrativos que ajuda as pessoas a terem acesso a água potável e saneamento através de financiamento acessível, com pequenos empréstimos.

O grupo Inditex desenvolve esta parceria com a Water.org desde 2015, e já apoiaram mais de um milhão de pessoas no acesso a água potável ou a saneamento melhorados.

Através deste projeto, a ZARA apoia a Water.org a ampliar o poder do microcrédito para os produtores de algodão orgânico que participam do programa Organic Cotton Accelerator (OCA) em Madhya Pradesh (Índia), permitindo que eles resolvam as suas necessidades domésticas de água e saneamento.

 

WATER.ORG PROGRAMME

 

A marca refere que todas as peças de vestuário desta coleção foram produzidas com algodão orgânico. As técnicas de agricultura natural usadas para produzi-lo usam apenas fertilizantes e pesticidas naturais, um processo favorável à água que ajuda a preservar os recursos de água doce.

 

20190907_water_06b.jpgFonte: Zara

 

As fábricas de “Descarga Líquida Zero” (Zero Liquid Discharge factories) permitem recuperar e reciclar água, reduzindo ao mínimo a água consumida durante o fabrico das roupas.

 

 

Fonte: https://news.zara.com

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:59

Antropoceno - pedido de colaboração

por Mäyjo, em 17.06.19


Queres colaborar na realização de um curto documentário que reflita o estado de degradação que a espécie humana provocou no planeta, e que está a levar à 6ª extinção em massa?

Antropoceno.jpg

O desafio foi lançado por Henrique Zamith, músico e permacultor famalicense. Para a produção deste documentário ele necessita de colaboração voluntária, através do envio de vídeos sobre o tema (sem pessoas) para fazerem parte deste documentário.


O projeto está a ser divulgado a partir da página no Facebook:  The Anthropocene - short musical documentary

Colaborem e divulguem! 


«PARTILHA SE TE FIZER SENTIDO

Antropoceno: pedido de colaboração

Olá!
O meu nome é Henrique. Vivo em Portugal. Estou a produzir um documentário musical de curta duração - O Antropoceno, estou a pedir a colaboração de pessoas um pouco pelo planeta fora.

Um desafio global com uma solução global. Digo eu.

Sou músico e professor de música. Estou a produzir o documentário baseado nas colaborações que for capaz de reunir, pois não tenho nem orçamento nem apoio financeiro.

O videos usados no documentário serão creditados a quem os partilhe, não pagarei qualquer valor pelos videos, pois não tenho qualquer orçamento para isso.

O Documentário será curto, e o objectivo principal será, utilizando a internet, contribuir para a consciencialização da devastação ecológica e do declínio das espécies animais, num formato curto facilmente reproduzível em qualquer contexto. Criando assim uma pequena caracterização do Antropoceno.

O meu pedido de colaboração é para Videos HD que possam ter acesso e partilhar.

Para o documentário preciso de:

- Videos curtos de apenas alguns segundos,
- Videos em Alta definição (HD);
- Videos sem Homo Sapiens. MUITO IMPORTANTE.
- Local e data do video.
- Videos de habitats devastados/degradados.
- Videos de declínio de espécies Animal (sem Homo Sapiens nos videos).

POR FAVOR CONTACTE-ME:

- Se tem qualquer questão sobre a produção.
- Se quer partilhar um video mas tem dúvidas se pode ser usado.
- Se quer colaborar, mas de outra forma.
- Usa anthropocene.doc@gmail.com para contacto.

VIDEOS REJEITADOS:

- Videos com a presença de Homo Sapiens na imagem serão rejeitados.
- Videos de baixa qualidade de imagem serão rejeitados.
- Videos com conteúdos inapropriados serão rejeitados.
- O Documentário será curto. Se necessário os videos serão selecionados tendo como critério a qualidade e a riqueza do conteúdo.

Obrigado pela sua colaboração e espero pelo seu contacto em breve,

Henrique Zamith
anthropocene.doc@gmail.com»


https://www.facebook.com/The-Anthropocene-short-musical-documentary-353607921933527/

**************************************************************************************************

«SHARE IF IT WORTHWHILE 

The Anthropocene call for collaboration:

Hello!

My name is Henrique. I live in Portugal. I’m producing a musical short documentary (doc) The Anthropocene. I'm requesting collaborations from people a little all over the planet.
A global challenge with a global solution, I say.

I’m a musician and music teacher. I’m doing the doc based on the collaborations that I might gather, I have no budget or financial support.
I will credit the videos to whom might share them, I will pay NO roallitiaes for the videos because I don’t have budget for that.

The doc will be short, and the overall goal is to raise awareness over the internet to ecological devastation, and animal species demise, in a format easily playable in any context. A little characterisation of The Anthropocene.

My request is about HD Videos that you might have.

For the short documentary I need:

- Short videos of a few seconds,
- HD Videos;
- No Homo Sapiens on the videos. VERY IMPORTANT.
- Location and date of the video
- Habitat devastation videos
- Animal species/habitat demise videos (no Homo sapiens on the videos).

PLEASE CONTACT ME:

- If you have questions about the Anthropocene production collaboration.
- If you want to share a video, but you are not sure that it could be used.
- If you want to collaborate, but in a different way.
- Use anthropocene.doc@gmail.com for contact

VIDEOS WILL BE REJECTED:

- Videos with Homo Sapiens on the image will be rejected.
- Videos with low imagem quality will be rejected.
- Videos with improper content will be rejected.
- The doc shall be short. If necessary, videos will be selected based on their content quality.

Thank you for your collaboration I hope to ear from you.

Henrique Zamith
anthropocene.doc@gmail.com
»

https://www.facebook.com/The-Anthropocene-short-musical-documentary-353607921933527/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:44

Apelo das “Pessoas pelo Clima”

por Mäyjo, em 29.04.19
«Famílias afetadas pelas alterações climáticas exigem que as alterações climáticas sejam a prioridade sobre o futuro da Europa, a discutir na Cimeira de Sibiu, Roménia a 9 de maio.

A Cimeira de Sibiu, que se realiza no próximo dia 9 de maio, na Roménia, é mais uma oportunidade para os Chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE) assumirem a ação climática como uma das prioridades na discussão sobre o futuro da Europa, reforçando a sua liderança para intensificar a ação climática  em antecipação à Cimeira organizada pelo Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) que irá decorrer em setembro.


As famílias envolvidas na ação judicial “Pessoas pelo Clima” (People´s Climate Case, em inglês), incluindo três portuguesas, reforçam os argumentos de que as alterações climáticas já estão a afetar hoje os cidadãos europeus, pelo que urge aumentar a ação climática.»
Fonte:  ZERO 
 

«Carta dos demandantes do caso legal “Pessoas pelo Clima” aos decisores políticos da União Europeia

Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu
Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu
Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia
António Costa, primeiro-ministro de Portugal

Exmos. Senhores presidentes da União Europeia,
Exmo. Senhor primeiro-ministro de Portugal,

Lisboa, 23 de abril de 2019

Estamos a escrever esta carta em nome de todos os europeus afetados pelas alterações climáticas. Somos agricultores, pastores, silvicultores, proprietários de hotéis e restaurantes e estudantes. Somos provenientes de diferentes países da Europa: Suécia, Portugal, França, Itália, Alemanha e Roménia. A única coisa que nos une é a nossa vulnerabilidade às alterações climáticas.

Armando viu parte significativa da floresta das suas propriedades ser destruída nos incêndios florestais que ocorreram em Portugal, em 2017. Ele dedicou mais de 20 anos da sua vida à gestão e proteção de uma floresta biodiversa.

Alfredo gere uma cooperativa agrícola, onde conjuntamente com 35 famílias, uma das quais a de Joaquim, praticam agricultura em modo de produção biológico. Eles sabem que, num cenário de alterações climáticas acima do limiar de 1,5º C, poderão ter de abandonar esta atividade, por incapacidade do sistema agroflorestal se adaptar ao aumento de temperatura e aos períodos de seca.

Sanna é uma jovem sueca de 23 anos, herdeira das renas de Saami e representa a Associação Juvenil Saami. Devido às alterações imprevistas no clima da região, a sua comunidade deixou de poder contar com o conhecimento indígena tradicional. O stress mental causado pela imprevisibilidade climática que afeta o seu modo de vida e a subsistência da comunidade resultou em elevadas taxas de suicídio entre os mais jovens.

Maurice, um agricultor especializado no cultivo de lavanda, perdeu 44% do seu rendimento nos últimos seis anos devido a períodos de seca consecutivos no sul de França.

Maike and Michael trabalharam ao longo de 20 anos para construir, a partir do zero, um negócio familiar com um hotel e restaurante na sua cidade natal de Langeoog, na Alemanha, e correm agora o risco de perder tudo devido ao aumento do nível do Mar do Norte.

Petru é agricultor nas montanhas dos Cárpatos na Roménia e testemunha como as alterações climáticas estão a afetar os recursos hídricos na sua região. Ele enfrenta um sério risco de perder as terras agrícolas da família devido aos períodos de seca e falta de água na região.

A família de Ildebrando está no negócio da apicultura em Portugal há décadas. As alterações na estação de floração e o clima cada vez mais quente começaram a dizimar as colmeias e a sua família perdeu 60% da sua produção em 2017.

A família de Giorgio produz localmente produtos biológicos e administra uma pequena pousada nos Alpes italianos que depende das famosas condições de escalada nas montanhas existentes na região. As alterações na temperatura estão a tornar a escalada cada vez mais perigosa e a afetar a receita das famílias daquela região alpina.

Em maio de 2018, juntamente com os nossos filhos e a Associação de Jovens Saami na Suécia, iniciámos uma ação judicial contra a União Europeia (UE) no Tribunal Europeu de Justiça devido à inadequada meta climática da UE para 2030. Defendemos que a atual meta climática da UE para 2030 – que visa reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em pelo menos 40%, por comparação com os níveis de 1990 – é inadequada em relação à necessidade real de prevenir as consequências resultantes das alterações climáticas, e longe do necessário para proteger os nossos direitos fundamentais de vida, saúde, ocupação e propriedade.

Desde então, as instituições europeias concordaram repetidamente com a nossa reivindicação. O Parlamento Europeu votou duas resoluções, apelando para um aumento da meta climática da UE para 2030, de 40% para 55%. A estratégia de longo prazo apresentada pela Comissão Europeia reconheceu que o atual objetivo climático da UE não está em conformidade com o objetivo do Acordo de Paris de limitar o aumento da temperatura em 1,5ºC. Estes sucessivos reconhecimentos da falta de ambição climática para 2030 provam que estamos certos em exigir metas climáticas mais ambiciosas dos políticos europeus. Melhores políticas e mais ação climática são a única forma de proteger os nossos direitos e criar um futuro melhor para todos nós.

A 9 de maio, V. Exas. irão reunir com os Chefes de Estado e de Governo dos 28 Estados-membros da UE para discutir o futuro da Europa.

Vimos apelar a V. Exas. e aos Chefes de Estado e de Governo que coloquem a ação climática no centro deste debate e o compromisso de limitar o aumento global da temperatura do planeta em 1,5ºC.

Enquanto cidadãos Europeus, o nosso futuro depende do futuro da Europa.

Alfredo Sendim, agricultor, Portugal
Armando Carvalho, proprietário de terrenos florestais, Portugal
Giorgio Elter, agricultor e proprietário de uma pousada, Itália
Ildebrando Conceição, apicultor, Portugal
Joaquim Caixeiro, agricultor, Portugal
Maike e Michael Recktenwald, proprietários de hotel e restaurante, Alemanha
Maurice e Renaud Feschet, agricultores, França
Sanna Vannar, presidente de Sáminuorra, Suécia (em nome da juventude Saami)
Vlad Petru, agricultor e pastor, Roménia»

Fonte:  ZERO / Carta integral em:  https://bit.ly/2DqrPfo  (e Público)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:03

Ajam como se a casa estivesse a arder (Greta Thunberg)

por Mäyjo, em 18.04.19

O meu nome é Greta Thunberg, venho da Suécia e quero que entrem em pânico. Quero que ajam como se a casa estivesse a arder.

...
Ontem o mundo assistiu, com desespero e grande tristeza, a Notre Dame a arder em Paris.Alguns edifícios são mais que edifícios. Mas Notre Dame será reconstruída.
...
A nossa casa está se desmoronando e os nossos líderes precisam começar a agir de acordo. Porque no momento, eles não estão!
...
As eleições da UE estão a chegar.

E muitos de nós que serão mais afetados por esta crise, pessoas como eu, não têm direito a votar.
..
E é por isso que milhões de crianças estão nas ruas com a greve à escola para chamar a atenção para a crise climática.

Vocês precisam nos ouvir, nós que não podemos votar.

Vocês precisam votar por  nós, pelos seus filhos e netos.

O que estamos a fazer agora em breve não poderá mais ser desfeito.

Nesta eleição vocês votam para as futuras condições de vida para a humanidade.
...
Nossa casa está a cair aos pedaços.
O futuro, assim como o que conquistamos no passado, está literalmente em vossas mãos agora.
Mas ainda não é tarde para agir.
Será necessária uma visão de longo alcance.
Será preciso coragem.
Será preciso determinação feroz para agir agora, para estabelecer as fundações quando ainda  não sabemos como vai ser o telhado.

Por outras palavras, será necessário pensamento “catedral”.

Peço que vocês, por favor, acordem e façam as mudanças necessárias.
Fazer o vosso melhor já não é o suficiente.
Todos nós devemos fazer o que parece impossível.
E tudo bem se você se recusar a me ouvir.
Afinal, eu sou apenas uma estudante de 16 anos da Suécia.
Mas vocês não podem ignorar os cientistas ou a ciência.
Ou os milhões de crianças em greve que estão clamando pelo direito a um futuro.
Eu imploro, por favor, não falhem nisto.»

Palavras de Greta Thunberg (16 anos) dirigidas ao Parlamento Europeu, no dia 16 de abril de 2019, conforme vídeo abaixo.




«Greta Thunberg, ativista climática sueca de 16 anos, fez um apelo apaixonado ao planeta no Parlamento Europeu na terça-feira (16 de abril), exortando os deputados a "começarem a entrar em pânico com a mudança climática" em vez de "perder tempo discutindo Brexit" .

Noutro discurso impressionante, aos membros da UE, desta vez em frente à comissão de meio ambiente do Parlamento, Thunberg disse aos deputados que “eu quero que vocês ajam como se a vossa casa estivesse em chamas. Eu quero que entrem em pânico".

A ativista reconheceu que: "algumas fações não me querem aqui hoje porque elas não querem falar sobre o colapso climático", mas reiterou que "está tudo bem se me ignorarem, mas não podem ignorar a ciência".

Traçando paralelos com o trágico inferno da noite de segunda-feira que varreu o telhado da catedral de Notre-Dame, em Paris, Thunberg esperava que "as fundações de nossa civilização fossem ainda mais fortes que as de Notre-Dame. Temo que não sejam."

Ela acrescentou que "se a casa estivesse a desmoronar-se, vocês não perderiam tempo discutindo sobre o Brexit" e que "mudanças permanentes e sem precedentes" são necessárias, incluindo garantir que as emissões sejam cortadas em pelo menos 50% até 2030. A meta atual é 40%.»

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=14w8WC1I3S4

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46

Adidas vai transformar plástico dos oceanos em 11 milhões de sapatilhas

por Mäyjo, em 01.04.19
A marca começou a fabricar modelos com este tipo de material em 2017 mas agora pretende duplicar a produção.
Desde 2017 que vende sapatilhas com plástico reciclado.

Desde 2017 que a Adidas se virou para a moda sustentável com a criação de modelos de sapatilhas feitos a partir de plástico com origem nos oceanos. Esta semana, a marca alemã anunciou que quer duplicar essa produção e tem a meta de conseguir 11 milhões de pares durante 2019.

Segundo o “Diário de Notícias”, Eric Liedtke, membro do conselho executivo da Adidas, revelou que esta é uma medida que vai de encontro aos consumidores que se mostram mais preocupados com as questões ambientais e com o que compram.

Nos últimos dois anos, a Adidas vendeu seis milhões de sapatilhas produzidas a partir de plástico. Desde 2016 que a marca trabalha em colaboração com a Parley for the Oceans, uma organização ambientalista não governamental e sem fins lucrativos.

Há mesmo uma linha da marca criada com este movimento. Aqui encontra T-shirts a partir de 24,95€, fatos de banho desde 34,95€ ou sapatilhas a partir de 111,95€.

Outro dos objetivos é que até 2024 todo o plástico usado nos seus produtos provenha da reciclagem. Cada sapatilha chega a precisar de, por exemplo, 11 garrafas para estar concluída.

Atualmente, a Adidas tem mais de 800 sapatilhas a partir de 27,48€.

 

Via: nit.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:50

ESTE MAGNÍFICO EDIFÍCIO ADAPTA-SE ÀS ESTAÇÕES DO ANO

por Mäyjo, em 19.03.17

Sharifi house 1

Teerão seria uma das últimas capitais onde esperávamos ver inovação arquitetónica, daquela que quebra barreiras nunca antes navegadas, mas a verdade é que o edifício Sharifi-Ha, na capital iraniana, está muito perto de conseguir esse feito.

 

Com cinco andares, o edifício conta com salas rotativas, criando novos espaços e adaptando-se às estações do ano. Segundo o atelier de arquitectura iraniano Nextoffice, que desenvolveu o projecto, esta característica móvel das divisões é conseguida com apenas um toque num botão, ficando assim o edifício com três salas rotativas: a sala do pequeno-almoço, o quarto de hóspedes e o escritório. Os três recantos podem rodar à procura de novos espaços, vistas ou luz.

Na verdade, estas divisões não são mais do que caixas de madeira, vistas de fora, com uma base rotativa. Durante os Invernos rigorosos de Teerão, elas podem fechar-se no edifício, mantendo a casa quente. No Verão, porém, elas abrem para ventilar a casa.

A casa tem ainda duas caves, para o ginásio e outras infra-estruturas de lazer. No rés-do-chão fica a garagem, enquanto no primeiro e segundos andares encontra-se o espaço dedicado ao convívio: a sala principal. Os dois últimos andares albergam os quartos, casa de banho, outra sala e uma cozinha.

“A casa adapta-se às necessidades funcionais dos seus ocupantes. O quarto de hóspedes pode ser reconfigurado para diferentes propósitos”, explicou um porta-voz da Nextoffice. “Com esta inovação, é possível termos diferentes cenários de luz e estações do ano”.

A casa é inspirada, na verdade, nas habitações tradicionais iranianas, que possuem salas de Verão e Inverno, consoante as diferenças de temperatura da época. Assim, estas divisões rotativas podem ser importantes para manter a casa quente no Inverno e fria no Verão, e não unicamente para propósitos de marketing e visibilidade.

A Sharifi-Ha foi nomeada para o Festival de Arquitetura do Mundo, em 2014.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:15


Este blog disponibiliza informação com utilidade para quem se interessa por Geografia. Pode também ajudar alunos que por vezes andam por aí desesperados em vésperas de teste, e não só, sem saber o que fazer...

Mais sobre mim

foto do autor


Siga-nos no Facebook

Geografando no Facebook

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D